Agentes de Segurança Prisional iniciam curso para compor Força Tarefa de Intervenção Penitenciária

91

 

 

Cinco agentes de segurança prisional do Estado de Goiás, que compõem o Grupo De Operações Penitenciárias Especiais (GOPE) da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP),iniciaram o curso de Nivelamento Técnico da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária (FITP), em Brasília, nesta segunda-feira, 11/02. A capacitação, que é ministrada pelo Grupo de Ações Especiais Penitenciárias, tem como objetivo padronizar ações operacionais em unidades Estaduais de todo o Brasil.

Os agentes, que estão à disposição do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), por 90 dias, irão atuar após a referida formação técnica, segundo o Gerente de Ensino da Escola Superior de Administração Penitenciária da DGAP, Leandro Militão, na força de intervenção em apoio aos Estados “controlando situações de crises no sistema penitenciário dentro dos linhares definidos.”

Durante o curso serão apresentadas técnicas de armamento e tiro, defesa pessoal e intervenção em ambientes prisionais, além de técnicas menos letais.

A aula inaugural contou com a presença do Diretor-Geral do Depen, Dr Fabiano Bordignon.

 

FITP

 

Criada em 2017 pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, a FITP é composta por agentes de segurança prisional federais, estaduais e do Distrito Federal.

“É importante esta integração porque, além da troca de conhecimentos e experiências, auxilia na melhoria da qualidade nas ações dentro do sistema prisional”, diz o gerente do Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (GOPE), Fábio Junior. Ele também ressaltou que os agentes convocados para participarem da FITP estão entre os melhores do país quanto à atuação operacional nos presídios . “Os servidores do GOPE estão prontos para atuar em qualquer unidade prisional”.

O grupo que foi criado em 2009 para atuar em situações de alta complexidade para o controle da ordem e disciplina em ambientes prisionais, tendo a primeira turma capacitada pelo Exército brasileiro. O grupo hoje é responsável pela formação de novos integrantes e grupos especiais operacionais penitenciários nas oito regionais da DGAP.