DGAP inaugura novas dependências na Unidade Prisional de Itumbiara

Diretoria-geral entrega Módulo de Respeito para 50 presos entre homens e mulheres e Complexo de Saúde com salas multifuncionais para atendimentos de enfermagem, médico, psicológico, social e odontológico. “Buscamos a ressocialização dos detentos e esta é uma ponte entre a penitenciária e
Fonte: A A A

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) inaugurou, na manhã desta segunda-feira (10/12), novas dependências da Unidade Prisional de Itumbiara, localizada no distrito de Sarandi.

Em cerimônia que contou com a presença de autoridades do sistema penitenciário, Poder Judiciário, Ministério Público e forças policiais, foi entregue o Módulo de Respeito para 50 presos entre homens e mulheres, prestadores de atividades laborativas. O espaço conta com quatro celas com cozinha, lavanderia, banheiro e duas áreas de convivência.

No local, também foi inaugurado o Complexo de Saúde com salas multifuncionais para atendimentos de enfermagem, médico, psicológico, social e odontológico. O objetivo é realizar atendimento médico dentro da própria unidade.

O diretor-geral, coronel Edson Costa, em discurso, explicou que o módulo de respeito é um programa que busca a transformação do ambiente penitenciário. “No final das contas, buscamos a ressocialização e esta é uma ponte entre a penitenciária e a dignidade do homem”, resumiu.

Ele também exaltou a integração da DGAP, do Poder Judiciário e do Ministério Público que “faz toda a diferença”. Costa ainda rememorou a construção do presídio de Planaltina de Goiás “que está com 92% das obras prontas” e que, segundo ele, é “a terceira unidade com segregação de presos diferenciados”.

O diretor da unidade, Fábio Alex, reiterou que o preso que tiver bom comportamento terá oportunidade de trabalho e remição da pena. “Afinal, a cada três dias trabalhados, o detento diminui a pena em um dia”, relembra. “A unidade passou por uma transformação e é hoje, sem dúvida, uma das referências em Goiás”, completa.

O Superintendente de Segurança Penitenciária, Jonathan Marques, reforçou que o Modelo de Respeito é uma oportunidade do preso de voltar à sociedade com chances de trabalho para sustentar suas famílias. “O preso quando trabalha, inicia o processo de ressocialização, que será fundamental para o seu futuro”.

A unidade, que conta com uma fábrica de artefatos, já formou duas turmas especializadas na fabricação de tijolos.

Fotos: Jota Eurípedes